Impacto do trabalho voluntário nos níveis de empatia, autoestima e bem-estar subjetivo

Nome do/a aluno/a: Evlyn Rodrigues de Oliveira

Orientador/a: Eliane Mary de Oliveira Falcone

Ano: 2018

Banca: Prof.ª Dr.ª Eliane Mary de Oliveira Falcone (Orientadora)

Instituto de Psicologia – UERJ; Prof.ª Dr.ª Angela Josefina Donato Oliva

Instituto de Psicologia – UERJ; Prof.º Dr.ª Vanessa Dordron de Pinho

Instituto de Psicologia – Universidade Salgado de Oliveira; Prof.º Dr.ª Juliana Furtado D’Augustin

Resumo: O voluntariado é caracterizado pelo auxílio a outras pessoas, de forma programada e voluntária, na ausência de quaisquer recompensas financeiras, sendo compreendido como um comportamento pró-social. As dificuldades sociais enfrentadas ao redor do mundo exaltam a importância de iniciativas solidárias que possam contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária. Neste cenário, diversos voluntários auxiliam aqueles que requerem algum tipo de ajuda material ou imaterial. Além da sua importância para a sociedade, a literatura tem investigado os efeitos desta prática para o próprio voluntário e estudos sugerem que os benefícios oriundos não ficam restritos ao alvo da ajuda, mas se expandem para o autor dela. Sendo assim, o presente estudo realizou uma avaliação do impacto do trabalho voluntário (TV) nos níveis de empatia, autoestima e bem-estar subjetivo daquele que o pratica. Participaram desta pesquisa 66 sujeitos, de ambos os sexos, acima de 18 anos e com escolaridade a partir do ensino médio completo. Destes, 33 compuseram o grupo experimental e 33 o grupo controle. Inicialmente, todos os participantes preencheram o Inventário de Empatia, a Escala de Autoestima de Rosenberg e a Escala de Bem-Estar Subjetivo. Posteriormente, apenas o grupo experimental iniciou a realização de um TV. Após três meses, os participantes de ambos os grupos preencheram novamente os instrumentos. Para a análise dos dados, foram utilizados testes estatísticos a fim de avaliar as possíveis modificações nos níveis das variáveis estudadas (empatia, autoestima e bem-estar subjetivo) nos dois grupos (experimental e controle) ao longo do tempo (pré e pós-experimento). Os resultados revelaram que, após a realização do TV, os participantes do grupo experimental aumentaram significativamente a habilidade empática, a autoestima e o bem-estar subjetivo, quando comparados com os respectivos níveis antes da realização do TV. Em contraste, o grupo controle não apresentou alteração estatisticamente significativa em nenhuma das variáveis avaliadas entre os dois tempos. Uma análise qualitativa adicional apresentou os fatores motivacionais para o início e permanência na atividade, bem como os efeitos da prática para as diferentes áreas da vida do voluntário. Auxiliar outras pessoas, exercitar a gratidão, ser inspirado por outros voluntários e a busca pelo bem-estar foram as motivações encontradas para o início da realização do TV, ao passo que ajudar outras pessoas, reconhecer uma alteração positiva na avaliação de si mesmo, identificar mudança de valores e obter satisfação consistiram nas motivações para a permanência no TV. Espera-se que este estudo possa contribuir para a literatura acerca do tema, acrescentando evidências empíricas de que ao auxiliar outras pessoas através do TV, é possível haurir efeitos positivos para si.

Link da biblioteca: http://catalogo-redesirius.uerj.br/sophia_web/index.asp?codigo_sophia=240846

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Programa de Pós-graduação em Psicologia Social

Anna Paula Uziel – Coordenadora do PPGPS

Laura Cristina de Toledo Quadros – Coordenadora Adjunta do PPGPS
 

ppgps.uerj@gmail.com Tel: (21) 2334-0236 – Fax: (21) 2334-0216

Rua São Francisco Xavier, 524/10º andar, sala 10.009, bloco F – Maracanã, Rio de Janeiro, CEP 20550-013
Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Instituto de Psicologia UERJ

%d blogueiros gostam disto: